8.10.12

subir alto. se cair caiu.

Vivemos alto, muito alto. Podemos mesmo dizer que vivemos num arranha-céus, não porque vivamos num 77º andar, mas porque acima de nós, aqui à volta, não há mais nada.

E se nos esticarmos suficientemente bem, arranhamos mesmo o céu.

Temos a sorte de ter uma espécie de cinema permanente nas nossas janelas: um paquete a passar, feérico, de noite, os concertos no Carmo de camarote, a maior bandeira de Portugal que parece tão pequenina daqui, os ensaios da orquestra e da banda (com repetições e tudo),

o trompete todos os dias pelas nove horas;
a lua que nasce por trás do Castelo num dia e no outro já aparece por trás do Convento da Graça.

Fogo de artifício, muitas vezes. Manifestações e claques de futebol em coro como num estádio. O largo de S. Domingos, explodindo sempre, verdadeiro cinema de autor. E o rio, o rio, o rio.

Um dia, apercebi-me que este cinema que nos entra pela casa dentro pelas várias janelas não era sempre acessível aos miúdos que andam por ali num plano inferior (não por muito mais tempo, mas ainda assim).

E a primeira vez que lhes expliquei que, se as bandeiras estiverem a apontar para o rio não chove mas se acontecer o inverso vão ter treino à chuva,

tiveram de se empoleirar e de se espantar com que ainda havia por baixo.

O R gosta tanto das antenas e dos aviões quanto das andorinhas ali por cima em danças contemporâneas;

e eu não o censuro. Afinal, vivemos na cidade.
Organizar as vinte e quatro horas do dia é todo um curso de gestão, tal como organizar estes poucos metros quadrados, demasiado poucos para nós, é todo um projeto de arquitetura.

 Um blogue de que gosto muito escreveu um postal sobre a falta de postais que subscrevo totalmente.

E é por isso que cito uma amiga que por sua vez cita Einstein: "a falta de tempo é a desculpa para a falta de método". Isto para dizer que, em vez de fechar por falta de tempo, haverá antes um livro na prateleira uma vez por semana. Haverá método que resista?

A ver.
...............................................................................
Les gratte-ciel
La Joie de Lire, 2011
Germano Zullo | Albertine
isbn 9782889080786
primeiro visto e comprado aqui

1 comentário :

Designed by DigitalBeautiful