7.2.11

o fim e o princípio

A morte é difícil. Mesmo quando é mais ou menos óbvia ou iminente ou pela ordem natural das coisa, é difícil.

Mas, tal como tudo acaba nesta Terra, também nela tudo começou.

O Big Bang é já bem conhecido por estas paragens mas um dia destes, depois da luz fechada, veio a fatal pergunta pela boca do B: "Mas afinal quem é que é Deus?" Apanhada de surpresa, lá engendrei uma resposta entre Deus-criador e Deus-amor,

nada de muito elaborado, mas enfim, complexo o suficiente para que a resposta categórica (como quem fecha a luz, mesmo) tenha sido "Eu acredito em Jesus, mas em Deus não." Um espírito científico.
Nada fácil também este livro que, nem de propósito, andávamos a ler por estes dias. Na primeira página arrependi-me logo de o estar a ler ao T:

um texto complexo e difícil, uma leitura livre da já livre leitura do começo do Mundo na oratória de Haydn,

por sua vez uma re-leitura do livro do Génesis. Mas lá continuei e espantei-me quando, no dia seguinte, entusiasmado, veio pedir para continuar.
O homenzinho é muitíssimo engraçado, espelho do Homem:

amuado, inquieto, entusiasmado, invejoso, inquiridor, apaixonado, impaciente, exigente, surpreendido; Deus é um bonacheirão, de mãos mágicas

e sorriso calmo, algo malicioso.
A morte é difícil, pois, mas a criação é divertida,

assim parece.
Até já, Avó.
...........................................................................
A Criação
Cosac Naify, 2006
texto Bart Moeyaert, ilustrações Wolf Elbruch
isbn 9788575035542
primeiro visto aqui
aqui

1 comentário :

Designed by DigitalBeautiful