30.4.09

de água

Quando aparece em casa um novo livro tenho, normalmente nesse dia, de o contar duas vezes; neste caso foram três.

Quando lhes leio histórias assim desconcertantes são impagáveis as caras que fazem, o que perguntam e o que voltam a perguntar.
Numa passagem ultra rápida pela Feira - amanhã faço visita oficial - não resisti a esta novidade.
A história é muito bonita (embora não ache a maneira de escrever - ou a tradução - fascinante) e as lindíssimas ilustrações de Gabriel Pacheco acompanham-na na perfeição.

O homem de água é mesmo um homem de água feito de um esquecimento de alguém que deixou a torneira aberta.

E, se primeiro é maltratado porque molha tudo e não é como os outros,

"Nunca tinha fome, nunca tinha sede (...) Não precisava de fazer xixi nem de lavar os pés."

acaba por ser depois aceite e toda a gente aproveita da sua água.

Até que uma grande chuva, que vem num dia de temporal, o chama para junto de si;

mas o homem de água gosta de viver no "mundo de automóveis e casas" e acaba por encontrar uma fonte abandonada onde pode ser para sempre.

"Há até quem diga que de noite, quando todos dormem, o homem de água ainda sai para dar uma volta ou para esticar as pernas."
.......................................................................................
O homem de água
kalandraka, 2009
Ivo Rosati texto, Gabriel Pacheco ilustração
isbn 9789898205148
encontrado aqui
----------------------------------------------------------
absolutamente imperdível esta conferência sobre educação e criatividade

Sem comentários :

Enviar um comentário

Designed by DigitalBeautiful